Cultura de aprendizado contínuo


Sabe quando você ouve alguém dizer que concluiu os estudos?

Na verdade nos acostumamos com a ideia de que para estudar é necessário estar na escola ou vinculado a algum curso formal.

Isto é um grande engano. Aprendemos também pela observação, pela experiência e principalmente pela curiosidade.

A curiosidade é fundamental para qualquer aprendedor. É ela que nos move a descobrir e criar.

Isso mesmo! A curiosidade é um pré-requisito para a criatividade.

Nos primeiros anos escolares ainda vemos crianças curiosas pelo que estão descobrindo: letras, palavras, números...

Tudo isso faz muito sentido para elas. Elas querem se comunicar também pela linguagem escrita, o que torna este aprendizado significativo e prazeroso.

Com o passar dos anos a criança e adolescente tem que estudar coisas que já não respondem mais às suas curiosidades, e aprender apenas para uma prova parece até meio imbecil...sem sentido.

Mas... seguem assim por longos anos.

O que acontece?

A curiosidade natural vai sendo sufocada por conteúdos escolares que "alguém" decidiu que todos devem saber para ser bem sucedidos.

Este jogo perde o sentido quando nos damos conta que só temos esta chance de viver bem esta vida e estamos gastando nosso tempo com decorebas e notas.

A vida pode ser muito mais do que esperar 12 anos escolares para depois ser livre para aprender. É buscar respostas reais às nossas necessidades tanto individuais quando em sociedade.

Se é necessário aprender matemática, gramática ou geografia?

Claro que sim!

Mas quem decide quem quer se dedicar à matemática já é outra história....

Tentamos tanto garantir que todos saibam tudo que acabamos deixando tudo mediano.

Você pode resgatar sua curiosidade natural e experimentar o prazer de descobrir e aprender coisas novas. Você saberá quando algo fizer brilhar seus olhos ou quando você perder a noção do tempo enquanto faz o que ama fazer.

O que te deixa neste estado?

Você já pensou nisso?

O que você escolheria fazer por horas seguidas mesmo que não ganhasse nenhum dinheiro para isso?

Aí está sua arte. Sua curiosidade mora aí. Alimente-a e transforme sua curiosidade em criatividade.

Se possível transforme em algo que te dê retorno financeiro, assim você não terá que "trabalhar" e sim viver sua paixão.

Cito uma ideia de um filósofo que gosto muito:

" E se você tivesse que viver esta mesma vida repetidas vezes por toda a eternidade? Ainda assim faria as mesmas escolhas? seria feliz?"

Sempre penso nesta ideia do Eterno retorno do filósofo alemão Friederich Nietzsche toda vez que tomo alguma decisão. Se sinto paz, sigo em frente.

A vida é muito boa para se abrir mão dela. Seja curioso, criativo...feliz!


Débora Aquino 





Comentários

  1. Fato! É necessário inovar... Precisamos de professores inovadores, criativos, dispostos a fazer a diferença na vida dos alunos.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo artigo
    Infelizmente o nosso sistema de ensino é um tanto quanto esquisito.
    Pois, tratam pessoas diferente como se fossem iguais e se a criança não se adequa então é reprovada.
    Hoje em dia o fator diferencial no mercado de trabalho é ser criativo e ter bons relacionamentos, e isso não é levado em conta.

    ResponderExcluir
  3. Ótima reflexão Débora! Concordo totalmente sobre a importância da curiosidade ao longo da vida, como uma importante ferramenta para o nosso desenvolvimento!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário ;)