Vamos brincar de "Conhecendo as emoções?" - com Kahena Viana



Ei pessoal! Mais uma vez estou aqui para falar um pouco mais sobre o Desenvolvimento da Inteligência Emocional nas crianças. E hoje tenho um presente especial para você, uma dica para guardar com carinho e usar sem moderação!

Você deve ter percebido que, a cada vez mais, as pessoas têm falado sobre a Inteligência Emocional em livros, redes sociais, cursos, escolas. Isso é muito bom! Mas é apenas o começo! É importante que todos possamos aprender a gerenciar nossas emoções para uma vida melhor e a partir disso ensinar nossas crianças como lidar com tantos sentimentos no dia a dia.
Mas, para que a criança possa compreender isso, é preciso entrar no mundo infantil. E para tanto, nada melhor do que de forma lúdica, não é mesmo? Essa dica vale para todo mundo que se interessa, mas principalmente para professores, professoras, pais e mães!

Todas as vezes em que a criança brinca, naturalmente ela aprende. O ato de brincar permite à criança ser espontânea, despertar a criatividade, resolver problemas, representar o mundo que conhece, e principalmente, vivenciar o momento presente.

Na infância, o que direciona as ações são as emoções. Isso porque o cérebro da criança não está totalmente formado, e o Lobo pré-frontal, responsável pelas funções psíquicas, como julgamento, tomada de decições, raciocínio, planejamento, não funciona como nos adultos. Por isso a criança é tanto mais impulsiva e tanto mais espontânea.

Então, sabendo que o brincar é fundamental e que as emoções movem as crianças, que tal juntarmos os dois? Vamos brincar de “Conhecendo as Emoções”?

Você vai precisar de um dado que contenha principalmente as expressões das emoções básicas: tristeza, nojo, medo, alegria, raiva. O jogo pode ser em grupo, o que favorece desenvolver outras habilidades, como esperar sua vez, escutar o outro, aprender com o outro.

De início você apenas pergunta à criança qual é a emoção que ela tirou no dado, dessa forma ela começa a aprender a nomear as emoções, habilidade muito fundamental para todo o processo. Depois, as perguntas podem ir se complexificando, como: voce já sentiu isso? O que aconteceu para você sentir isso e como foi? O que você fez com esse sentimento (qual foi sua ação)? Você gostou de sentir isso? Quais sensações você teve no seu corpo quando sentiu isso? Como você se comportou com as pessoas, quando sentiu isso? Importante lembrar que você deve adequar sua fala de acordo com a idade da criança.

Sempre que pertinente, também problematize as questões que surgirem, como por exemplo, se uma criança demonstrar que ficou triste por algo e não soube lidar, juntamente com o grupo, pensem em possibilidades de resolução.

Para deixar o jogo mais interessante, as crianças do grupo também podem fazer perguntas sobre os sentimentos, assim aprendem a habilidade de elaborar frases de acordo com o tema proposto.

Nunca se esqueça: durante o jogo, evite repreender a criança sobre o que ela disser! Acolha suas falas, seus sentimentos, e caso suas apresentações não sejam adequadas, pacientemente, mostre-a outras possibilidades. Assim, ela confiará mais em você, se sentirá à vontade, e tudo fluirá melhor.

E uma observação muito importante: você também joga com as crianças, dessa forma elas perceberão que os adultos também têm emoções e que aprendem a gerenciá-las!

Então é isso pessoal! Aproveitem, criem outras possibilidades com esse jogo, e principalmente, escutem as crianças, elas têm muito o que nos dizer!



Abraços e até a próxima!



Kahena Viana - Pedagoga, contadora de histórias e especialista em inteligência emocional para crianças.



Comentários

instagram @deh_aquino_atelie